Gerenciamento Tributário
É importante que V. leia.

- A Equipe de Vendas de sua empresa é um show...;
- O Marketing é extraordinário, conseguem sempre, sair na frente de seus concorrentes,
   levando seu produto às alturas;
- O Controle de Qualidade, nem se diga, conseguiram zerar as reclamações; 
- Deve-se muito, sem duvida, ao seu Setor de Compras, que sabem negociar de verdade;
- Seu setor de Logística, mantém sua empresa ligada a seus fornecedores e clientes;
- Seu CPD é de alta eficiência, mantendo a diretoria e, seus encarregados altamente
  atualizados com tudo o que ocorre em sua empresa;   
- A área de Recursos Humanos, está sempre cuidando de manter o homem certo no
  lugar certo; 
- A Gerencia de Manutenção, cuida de forma exemplar da segurança de seus
  funcionários, mantendo seu equipamento na mais perfeita ordem, e assim,
  ...todos os seus outros departamentos, sem duvida, estão de parabéns... a empresa
  não mede esforços para manter-se entre as líderes de mercado, em todos os setores,
                 
                OU SERÁ QUE NÃO... 


Desculpem, mas não vimos nada ai em cima, que demonstre o zelo e o carinho com
que sua empresa trata seu maior sócio.
 
Falamos daquele Sócio que detém na realidade,cerca de 39,0%  do capital de sua empresa
(38,0% do PIB). Com as atuais reformas tributárias, a previsão é de atingir/ultrapassar 40%.    
Daquele sócio majoritário, que lhe impõe uma Carga Tributária média de 39% sobre
seu faturamento e, uma carga média sobre seu lucro de 55% . (
Confira)

É, ou não é seu sócio majoritárioE mais, é um sócio absolutamente alheio aos
problemas de sua empresa. Não é sócio de capital, nem de indústriaNão importa
se há lucros ou prejuízos mas, a parte relativa às suas "retiradas" são sagradas,
chova ou faça sol.      Raramente aceita renegociar seus créditos e, quando
o faz, custam-lhe os olhos da cara, e exigem todas as garantias possíveis. 

M
uito mais raramente ainda, aceita discutir com V., e seus concorrentes sobre
o que realmente se possa fazer para um incremento de sua produção, um barateamento
de seus serviços essenciais.   É um sócio, que não gosta de falar ou discutir sobre
"incentivos", sobre juros baixos, sobre financiamentos diretos ou indiretos etc.

E ainda, para não se alongar demais, mantém uma equipe de fiscais, não no intuito de
orientação, mas com o fim precípuo de fiscalizar suas atividades (no que tange é claro),
a única parte que lhe interessa - o fator financeiro -, aplicando-lhe pesadas multas
quando entende que existe, ou possa existir, a mais tênue hipótese de V. ter cometido,
mesmo que involuntariamente qualquer erro, que possa diminuir-lhe os interesses
financeiros e ou, sua forma de cobrança. 

O que V. deve fazer com esse sócio?

O mesmo que faz com V.  -  Cuidar de manter um efetivo Gerenciamento Tributário,
para verificar notadamente, se os tributos cobrados estão amparados de legalidade. 

S
e os percentuais aplicados são corretos, se não está sendo cobrado, valores e ou
tributos, que já não podem mais ser cobrados.    Se não há caducidades, favores
ou perdões tributários aplicáveis entre aqueles que representam seus débitos e ou ainda,
permissivos isonômicos.  Se a aplicação de atualização monetária, juros e demais, não se
encontram em cascata, em duplicidade, ou cobrados de forma abusiva e ilegal.   Se, os
enquadramentos de cobranças tributárias estão efetivamente corretos, se as multas
aplicadas tem amparo legal e ou, obedeceram as formalidades legais exigíveis, etc.

E afinal, não se deixe iludir. Verifique sempre, através uma assessoria de qualidade,
se as "novidades tributárias", que se acenam como se fossem grandes favores fiscais
às empresas, são na realidade o melhor para V., ou a única solução para seu negócio.  

A
final, V. não é obrigado a aceitar propostas, sem antes analisá-las à luz de seus reais
e efetivos interesses.

D
iz um velho adágio:  "Laranja madura, na beira da estrada, tá bichada ou tem
marimbondo no pé.
"

Lutar e propugnar por seus direitos, é preceito constitucional.

Isso justifica os meios que usamos para a análise de seus tributos "pendentes", seja
em que fase for, e nossa orientação para livrar-se dos excessos, e dos prazos apertados
que seu "sócio" lhe impõe. 

Nos dias de hoje, com uma economia globalizada, uma empresa só pode ser considerada,
ao menos, com identidade de primeiro mundo, se fizer agregar entre seus departamentos,
um setor de Gerenciamento Tributário (e isso se faz, através seus próprios funcionários,
seus diretores, seu corpo jurídico, apenas com a transmissão de nosso Know-How. 
É
a única forma inteligente de manter sua segura perenidade. 

Entretanto e em contrapartida, não se iluda, esse é um setor que tem que ser orientado
por competentes e experientes profissionais da área.   

N
enhuma empresa, mesmo as de primeiro mundo, tem condições de manter uma equipe que
denominamos de "inteligência fiscal". mesmo porque, um departamento como esse, além de
precisar de um grupo altamente experiente (com muitos anos na área tributária), em trabalho
full-time, mantendo um manancial de informações, aliado a um vasto sistema integrado, com
matéria desde doutrinária, estendendo-se a legal e jurisprudencial diária, além do inevitável
amontoado das alterações quase que cotidianas no âmbito tributário e fiscal (a velocidade
das alterações de matéria tributária, ocorre em média, a cada 48 horas
), mesmo assim,
ainda faltaria aquilo que chamamos de Isonomia Tributária.     

E
, isso é muito importante porque; estariam as margens do que chamamos de
prática isonômica, isto é, estariam vinculados aos problemas de uma só empresa, de uma
só experiência, quando nossa equipe é versada em áreas e problemas dos mais variados.
 
Esse detalhe por si só, cerceia, bloqueando por completo as aplicações quase simultâneas
de permissivos legais de caráter urgente.

E
como dissemos acima, "tem que ser orientado" e, por essa razão, seu jurídico pode
tranqüilamente prestar esses serviços, bastando seguir nossas orientações, nosso
"know-how", lastreado em mais de trinta anos de vivência tributária.
. . . . . . . . . . .


IMPORTANTE:

Lembre-se que, sua empresa (na grande maioria dos casos),
 não precisa ficar atrelada a nossa equipe.

A
pós toda nossa análise e orientação, poderemos simplesmente transferir nosso
 Know-How para seu jurídico e sua equipe de administração tributária.
Manteremos apenas, sem custo algum, nossa assistência jurídica e funcional.

                                              Consulte, sem qualquer compromisso.

Senhor empresário. Todos os seus problemas tributários e fiscais, são analisados pessoalmente, com a maxima discrição e confidencialidade. Marque uma entrevista conosco, sem qualquer custo ou compomisso.  


Clique aqui, para Formulários de Consultas e Entrevistas